20% dos brasileiros não sabem o que fazer com o 13º salário, diz pesquisa.

 

13-salario-pautaSegundo pesquisa da Associação Comercial de São Paulo, brasileiros estão inseguros sobre o que fazer com o décimo terceiro salário. Mais de 20% da população ainda não sabe como vão aplicar o dinheiro da primeira parcela da bonificação.

Se comparado ao ano passado, este índice subiu quase 12%.

Segundo uma enquete da associação, 42,5% dos consumidores usarão a primeira parcela para quitar débitos.

Aqueles que pretendem guardar o dinheiro somam 20%, contra 29,4% no ano passado.

Já os que vão gastar com presentes representam 5%, índice pouco menor ao de 2015, quando quase 9% dos entrevistados tinham esta intenção.

Em Macapá, Clécio Luiz (Rede) é reeleito prefeito da capital do Amapá.

clecio-e-telma-30-out
Prefeito reeleito, Clécio Luiz (Rede) e sua vice, Telma Nery (DEM).

Os eleitores da cidade Macapá, capital do estado do Amapá, foram às urnas neste domingo (30), para a escolha em segundo turno, do novo prefeito que vai administrar um município que abriga quase 60% da população do Amapá.

Com 100% das urnas apuradas e 123.808 dos votos válidos, o atual prefeito, Clécio Luiz (Rede) renovou seu mandato para mais 4 anos.

Para ter êxito, Clécio declinou das bandeiras de seu partido, a REDE, que tem como líder a ex-senadora Marina Silva, e fez uma aliança com o partido Democratas(DEM), que tem a frente, no Amapá, o senador Davi Alcolumbre.

A aliança ficou clara durante a campanha eleitoral, que visava apoio na eleição de 2018, quando Alcolumbre será o candidato a governador do estado.

Em Macapá, os destaques no Dia da Eleição no 2º. turno.

No dia da eleição 2º. turno – pouca movimentação nos locais de votação. A maioria dos eleitores aproveitou a manhã para exercer seu direto constitucional e escolher o no mandatário da capital do estado do Amapá.

Naufrágio

barco-afuda
Foto: Ascom TRE-AP

Na manhã deste domingo (30), uma embarcação a serviço do TRE/AP afundou na localidade de Ipixuna Miranda.

Segundo informações da Assessoria de Comunicação do TRE, a equipe do órgão já estava em terra e não houve danos, e o acidente não comprometeu a votação nas localidades.

Áudio

Outro fato que chamou atenção durante a manhã deste domingo (30), foi o vazamento de um áudio em grupos de WhatsApp, supostamente, entre uma oficial da Policia Militar do Amapá e um coordenador de campanha de um candidato, onde tratam sobre valores para serem usados na compra de votos.

Candidatos

Os candidatos Clécio Luiz (Rede) e Gilvam Borges (PMDB), votaram pela manhã. Não houve grandes manifestações por parte dos cabos eleitorais, e ambos falaram à imprensa, que estão confiantes na vitória.

Eleições 2016: Conheça os candidatos a prefeito de Macapá.

A cidade de Macapá, capital do estado do Amapá, no extremo Norte do Brasil, vai eleger neste domingo (30), o prefeito que vai administrar um município, onde residem mais de 460 mil pessoas, conforme dados do IBGE.

O site PautaNews mostra os perfis dos candidatos que pleiteiam o cargo de prefeito da capital do Amapá.

Gilvam Borges (PMDB)gilvam-e-adiomar-paua-news

Gilvam Pinheiro Borges tem 58 anos, é casado com Maria Marlene Barriga Borges e tem quatro filhos. É formado em sociologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Foi deputado federal e senador, por dois mandatos. Também foi líder da bancada federal do Amapá, em Brasília.

Tem experiência em gestão e amplo acesso com as grandes lideranças políticas no centro do poder.

Seu candidato a vice-prefeito é o empresário Aldiomar Veronese (PROS). Reconhecido no estado pelo sucesso em seus empreendimentos comerciais e pela capacidade técnica e operacional em administrá-los.

Clécio Luiz (Rede)clecio-te-telmaa-paua-news

Clécio Luís Vilhena Vieira tem 44 anos e é separado. É geógrafo, formado pela Universidade Federal do Amapá (Unifap).

Foi eleito prefeito de Macapá no segundo turno em 2012. Antes, foi vereador da capital por dois mandatos.

Além da experiência administrativa como prefeito, ele também foi secretário de educação do estado do Amapá.

Iniciou sua carreira política no PT, depois foi para o PSOL e atualmente é filiado a Rede Sustentabilidade.

Sua candidata à vice-prefeita é a administradora e vereadora Telma Nery (DEM), eleita no pleito de 2012.

Macapá e seus problemas

Infra-estrutura, mobilidade urbana, saneamento básico, abastecimento de água, educação, transporte público e segurança.

Segundo internautas ouvidos pelo site www.pautanews.com.br, essas são as áreas onde estão os maiores problemas na cidade de Macapá.

O prefeito e suas atribuições

O prefeito é o responsável pelo poder executivo e deve colocar em prática o conjunto de intenções de seu governo. É ele quem decide onde aplicar os recursos provenientes de impostos como IPTU e ISS e as verbas repassadas pelo governo estadual e federal.

O prefeito da cidade deve cumprir fielmente, a lei orçamentária anual (LOA), que é a previsão de todas as receitas e despesas do município.

Artigo: Deixe para amanhã – Dom Pedro Conti

Pedro_ContiDom Pedro José Conti

Bispo de Macapá

Neste século de encontros e congressos, também os demônios convocaram uma assembleia. Seu objetivo era estudar novos métodos, mais eficientes para aumentar a sua freguesia, isto é, o número de sócios e candidatos ao inferno. Os palpites choveram de todos os lados:

– Vamos intensificar os programas de sexo e violência nos meios de comunicação.

– É preciso endurecer o coração do povo. Nada de fazer caridade. Formar a mentalidade que pobre é preguiçoso e que velho é peso morto.

– Vamos convencer o povo que missa e oração não enchem barriga. Religião é só para anestesiar as consciências.

– O povo deve aproveitar mais da vida. Mais prazer, mais drogas, mais bebidas, mais diversão. Os palpites continuavam, mas o chefe dos demônios sacudia a cabeça a cada nova sugestão.

– Isso tudo já estamos fazendo – dizia. Levantou-se, enfim, um demônio muito velho e experimentado que, pausadamente, deu a sua opinião:

– Vamos ensinar ao povo a fazer o que os padres ensinam, mas…comecem amanhã. Por exemplo: é necessário ir à missa e frequentar a comunidade, mas deixem para começar amanhã. É preciso corrigir os vícios, mas deixem para amanhã. Todos devem fazer o bem, mas deixem para fazer amanhã.

Essa opinião foi aprovada por unanimidade pela assembleia. E esta ficou sendo a tática diabólica: elogiar todas as boas iniciativas, mas sempre adiar para amanhã a sua execução.

Deixar as decisões para amanhã faz parte das famosas boas intenções das quais, dizem, é feito o piso do inferno. De fato, quando não se faz nada, ou pouco demais, nunca as coisas erradas vão mudar. Nesse sentido, é bom nos deixarmos surpreender, mais uma vez, pela insistência do evangelista Lucas em colocar nos lábios de Jesus a palavra “hoje”. Já a encontramos ao longo deste ano litúrgico e ainda a encontraremos no último domingo. “Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é filho de Abraão” é a resposta de Jesus à declaração de Zaqueu, o chefe dos co bradores de impostos de Jericó: “Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres e, se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais”.

Na página do evangelho, deste domingo, tudo parece acontecer às pressas. Na realidade, dá para perceber a longa inquietação de Zaqueu. A decisão dele não é um repente de loucura, mas a chegada de um longo caminho, após a superação de alguns obstáculos. Se alguém tem pressa é Jesus. É a pressa de quem ama. Com efeito, Zaqueu buscava ver quem era Jesus. Não sabemos o que Zaqueu pensava ou o que lhe tinham contado sobre o “profeta de Nazaré”. Devia ser um homem prático, acostumado na administração de bens palpáveis. Nada de conversa. Por isso, agora ele quer conhecer pessoalmente a Jesus. M as é baixo de estatura, a multidão atrapalha, é difícil ver o Mestre. Poderia desistir. Mas não, insiste, quer porque quer. Soube numa árvore. Agora dá para enxergar, mas antes quem o vê é o próprio Jesus que o chama pelo nome e se autoconvida para ir à casa dele.

A arte narrativa de Lucas é maravilhosa e profunda. Antes de Zaqueu procurar a Jesus fica claro que já era o próprio Jesus a querer encontrá-lo. Assim, aquela casa de cobranças, negócios, enganos, roubos e exploração se torna “casa de salvação”, porque qualquer lugar pode ser transformado – qualquer coração, qualquer intimidade – quando deixamos Jesus entrar. Zaqueu que tinha gastado tantas energias para acumular a sua fortuna agora fica feliz em doar metade dos seu bens aos pobres. Devolve quatro vezes mais a quem tinha defraudado. A falsa euforia de acumular desaparece; instala-se a pura alegria de poder fazer felizes os outros, os pob res, os injustiçados. Esta é a salvação. Aquele “hoje” foi um grande dia de festa na casa de Zaqueu. Como na casa do Pai, quando o filho perdido voltou; como na casa do Bom Pastor, quando a ovelha desgarrada foi encontrada. Todos nós buscamos a felicidade; muitas vezes por caminhos errados e com voltas infinitas. O único jeito certo para dar sentido à nossa vida é fazer o bem, amar como Jesus amou. Mas é para “hoje”, viu?

Deputada pelo Amapá assume Procuradoria Parlamentar da Câmara.

jozi-araujo
Deputada federal Jozi Araújo (PTN-AP) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foto: Assessoria

A deputada federal Jozi Araújo (PTN-AP), assumiu na quarta-feira (25), a chefia da Procuradora Parlamentar da Câmara dos Deputados, indicada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Durante solenidade de posse, a parlamentar do Amapá, agradeceu o presidente Rodrigo Maia e o seu partido pela indicação e aproveitou para ressaltar a importância do papel da Procuradoria-Geral para preservação da honra e imagem da Instituição e dos Deputados.

Em 25 anos, essa é a primeira vez que o órgão terá uma mulher à frente da direção.

A deputada, além de Procuradora, é titular em três colegiados: Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania; Comissão da Mulher; Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia. Jozi é ainda, desde 2013, presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amapá (FIEAP).

No Amapá, moradores do município de Porto Grande protestam contra DNIT e interditam BR 210.

O trecho do entroncamento das BR 156 /210, anterior a rotatória de acesso a sede do Município de Porto Grande, está interditado parcialmente, neste momento, por moradores do município, distante cerca de 120 km da capital, Macapá.

O protesto é contra a medida tomada pelo Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT), que instalou aparelhos para fiscalização eletrônica, tipo Pardais e não fez a sinalização adequada, bem como qualquer tipo de campanha educativa.

Segundo os manifestantes, é crescente o número de multas atribuídas aos motoristas que residem na localidade, após a instalação dos radares.

A Polícia Rodoviária Federal informou através de sua assessoria de imprensa, que agentes da PRF estão no local para manter a ordem e iniciar um diálogo com os manifestantes para a liberação da via.

Multas/DNIT

Desde fevereiro deste ano (2016), em São Paulo, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) vem consolidando jurisprudência de que o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) não pode multar por excesso de velocidade. Pois isso seria competência da Polícia Rodoviária Federal.

Na decisão, o juiz federal Sérgio Renato Tejada Garcia escreveu: “Tem prevalecido o entendimento de que o DNIT é competente para impor multas e outras medidas administrativas relativas a infrações por excesso de peso, dimensões e lotação dos veículos (CTB, art. 21, inc. VIII) e o nível de emissão de poluentes e ruído produzidos pelos veículos automotores ou pela sua carga (CTB, art. 21, inc. XIII), mas não teria competência para promover autuações e aplicar sanções em face do descumprimento de outras normas de trânsito praticadas em rodovias e estradas federais, como por excesso de velocidade.”

Ainda segundo o magistrado, a prática do DNIT de multar por excesso de velocidade aconteceu com bastante frequência no país. Porém, desde meados de 2010 passou a ser questionada.

No Amapá, Justiça libera inserções e exibição do programa eleitoral do candidato Gilvam Borges.

 

decisao-1A Justiça Eleitoral do Amapá, através do juiz Adão Joel Gomes de Carvalho, da 2ª Zona Eleitoral de Macapá, acatou o pedido de liminar da “Coligação Atitude e Trabalho por Macapá”, que tem como candidato a prefeito da capital do Amapá, o ex-senador Gilvam Borges (PMDB) e seu vice, Adiomar Veronese (PROS), e reconsiderou a decisão de retirada do ar da propaganda eleitoral, entendendo que não houve desobediência por parte da Coligação.

decisao-2Com a sentença prolatada, o programa eleitoral do candidato Gilvam Borges (PMDB), desta sexta-feira (28), assim como as inserções nos intervalos comerciais das emissoras de rádio e TV, estão liberadas para serem veiculadas.

decisao-adv“Restou provado para a Justiça Eleitoral, que o candidato Gilvam Borges, não teve tempo suficiente para substituição das inserções que foram impugnadas”. Descreveu advogado da Coligação de Gilvam e Adiomar, Dr. Hercílio Aquino.

Supremo valida corte de ponto de servidores públicos em greve.

greveO Supremo Tribunal Federal (STF) validou nesta quinta-feira(27), o corte de ponto de servidores públicos que decidirem entrar em greve. Por seis votos a quatro, a Corte estabeleceu que os órgãos públicos podem fazer o corte dos dias parados antes de uma decisão da Justiça que considere a greve ilegal.

Com a decisão, os dias parados não poderão mais ser cortados somente se a paralisação for motivada por alguma ilegalidade do Poder Público, como a falta de pagamento de salário. O entendimento da Corte não impede a negociação para a compensação dos dias não trabalhados.

No julgamento, os ministros também reafirmaram tese decidida em 2007, na qual ficou consignado que as regras de greve para servidores públicos devem ser aplicadas conforme as normas do setor privado, diante da falta de lei específica. Desde a promulgação da Constituição de 88, o Congresso não editou a norma.

A questão foi decidida no recurso protocolado pela Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro contra decisão da Justiça do Rio, que decidiu impedir o corte de ponto de servidores que entraram em greve em 2006. A fundação sustentou que a greve resulta na suspensão do contrato de trabalho, como ocorre nas empresas privadas.

O ministro Gilmar Mendes disse que não é “lícito” pagar o salário integral para servidores que fizeram greve. Ele citou que no setor privado os dias parados são entendidos como suspensão do contrato de trabalho. “Isso é greve, é férias, o que é isso? Isso não ocorre no âmbito privado, cessa o pagamento de imediato. Como sustentar isso? Não estamos falando de greve de um dia.”, afirmou.

André Richter – Repórter da Agência Brasil

Em Macapá, Coligação de Gilvan Borges recorre de decisão judicial que suspendeu veiculação de programa eleitoral.

adv-gilvan-docA Coligação Atitude e Trabalho por Macapá, que tem como candidato a prefeito da capital do Amapá, o ex-senador Gilvan Borges (PMDB) e seu vice, Adiomar Veronese (PROS), entrou com um mandado de segurança com pedido de liminar para a suspensão da decisão que retirou do ar as inserções e programas da Coligação no horário político gratuito eleitoral.

advog-gilvan
Advogado Dr. Hercílio Aquino. Foto: Pauta News

O advogado da Coligação de Gilvan e Adiomar, Dr. Hercílio Aquino, pediu também ao magistrado que proferiu a sentença, que reconsidere a decisão tomada, justificando que, não ocorreu qualquer tipo de desobediência por parte da Coligação.

“Existe um procedimento das emissoras pra que os programas sejam retirados do ar e foi estabelecido um prazo muito curto para que isso fosse feito. Não houve litigância de má-fé pela coligação”. Disse o advogado Hercílio Aquino.

Justiça

A ordem de retirada dos programas e inserções do candidato Gilvan Borges, partiu do juiz Adão Joel Gomes de Carvalho, da 2ª Zona Eleitoral de Macapá. Segundo o magistrado, mesmo cientes da liminar proibindo a veiculação da propaganda em questão, houve exibição da promessa de doação de lotes.

Doação de lotes

Segundo a assessoria de Gilvan Borges (PMDB), a doação de lotes é uma proposta do programa de governo do candidato, e não existe qualquer ilegalidade na doação e titularização de terras no âmbito do município de Macapá.

Gilvan Borges disse que estranha a polêmica sobre proposta de legalizar áreas urbanas e entregar de graça para o munícipe, visto que essa prática já ocorreu em outros pleitos.

Em 2014, por exemplo, em plena campanha política, foram entregues mais de 500 títulos de terras urbanas aos moradores dos bairros Renascer, Amazonas, Pantanal, Marabaixo e Boné Azul.

A ação fazia parte de um programa que iniciou em 2013, na gestão do então governador Camilo Capiberibe (PSB), que visava regularizar mais de 6 mil lotes, que foram doados a famílias no período de 1990 a 2000, nas gestões dos ex-governadores Anníbal Barcellos e João Capiberibe.

Com a doação definitiva, houve um aquecimento na economia da construção civil e um aumento na geração de empregos diretos.