MPF pede à Justiça redução do preço de 43 remédios vendidos no país.

Um estudo técnico da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos apontou a existência de falhas como o fato de alguns valores registrados chegarem a dez mil por cento a mais aos praticados no mercado.

A ação é resultado de investigações iniciadas em 2013 e tem como base uma auditoria realizada dois anos antes pelo Tribunal de Contas da União.

Foi constatado pelo TCU que na compra de lotes de 43 remédios em 2010, o governo federal poderia ter economizado mais de um bilhão de reais se tivesse seguido valores das tabelas internacionais.

Para ter uma ideia, nesta época, os preços de 23 medicamentos estavam 400% acima da média

Alguns deles são bem conhecidos, tais como: o Lexapro, utilizado no tratamento da depressão, o Pantoprazol, para o controle da gastrite e o ansiolítico Rivotril

No ano passado, o Ministério Público Federal já havia recusado o pedido de redução dos valores destes remédios.

Prefeitos e vereadores discutem com o governo sobre implantação da região metropolitana de Macapá.

Uma reunião na tarde desta segunda-feira (20), no Palácio do Setentrião, entre o governador, prefeitos e presidentes das câmaras municipais de Macapá, Santana e Mazagão discutiu a implantação da área metropolitana da capital.

Com a inauguração da ponte do Rio Matapí, que liga o município de Mazagão à Macapá e Santana, houve a necessidade da integração da cidade de Mazagão à nova região metropolitana da capital.

Durante o encontro, um debate preliminar sobre a construção do plano de desenvolvimento urbano integrado da nova região, e definição das diretrizes do desenvolvimento social, de infraestrutura e econômico das três cidades, obedecendo às necessidades e as peculiaridades de cada cidade da região metropolitana.

A proposta defendida pelo Governo do Amapá, prevê com a medida, a integração urbana das três cidades, melhorando a mobilidade urbana e a conseqüente qualidade de vida das populações que residem nestas regiões.

Ao final da reunião, foi acordado entre os gestores, que ainda esta semana, serão escolhidos os integrantes, que vão compor uma comissão para tratar sobre a implantação da região metropolitana de Macapá.

Planos de saúde voltam a perder usuários em janeiro.

Mais de 190 mil pessoas deixaram de ter plano de saúde em janeiro. A queda no primeiro mês do ano é de 0,4%, de acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar.

No total, os planos de saúde perderam 192 mil e 200 usuários. A redução no número de beneficiários vem sendo registrada desde agosto do ano passado. Por outro lado, houve aumento no número de planos exclusivamente odontológicos. A alta nessa modalidade é de 169 mil usuários. Mais de 22 milhões de brasileiros tinham plano odontológico em janeiro.

Com relação ao plano de assistência médica, nove estados apresentaram aumento de adesões no início do ano em comparação com dezembro: Acre, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí, Roraima e Sergipe.

Despesas com educação crescem e voltam a pressionar o custo de vida do brasileiro.

Os gastos com educação voltaram a pressionar o custo de vida do brasileiro.

Com o reajuste das mensalidades, as despesas com os ensinos fundamental e superior, por exemplo, cresceram até 3,5% na segunda medição do mês do Índice Geral de Preços Mercado, da Fundação Getúlio Vargas.

Também subiram, entre outros itens, os preços do plano de saúde e da passagem de ônibus. Mas, por outro lado, alimentos como feijão, banana e batata ficaram mais baratos.

No geral, o custo de vida do brasileiro cresceu 0,36%. E o IGP-M, como um todo, avançou apenas 0,02%. Isso porque além dos preços cobrados diretamente dos consumidores, ele leva em conta o custo da construção civil, que aumentou 0,35%.

E ainda as despesas do setor produtivo, como a indústria, que caíram puxadas por matérias-primas como soja e milho.

O último – Dom Pedro Conti

                                                     Dom Pedro José Conti

Bispo de Macapá

 No paraíso foi organizada a maior ceia de todos os tempos. Todos os santos e santas tinham a vaga marcada com um bilhete dourado. Não faltava ninguém.  Era o dia da solene inauguração dos “novos céus e da nova terra”. Um acontecimento esperado por séculos e séculos. O cheiro incomparável da comida chegava das cozinhas celestiais. Até os santos eremitas não conseguiam mais disfarçar a ansiedade e já davam sinais de impaciência. Todos esperavam o sinal para começar. Mas Jesus, sentado na cabeceira da mesa, esperava, esperava… O silêncio era absoluto. O que estavam esperando? Por que não começavam? A grande porta do céu, que parecia fechada para sempre, abriu-se. Um homem aparentando um aspecto triste e como quem vindo de tempos antigos, entrou com passo hesitante. O rosto de Jesus ficou radiante, abriu os braços e correu para abraçar o homem exclamando: “Judas, meu amigo, estávamos esperando somente a ti!”.

Uma história imaginária, como sempre. No entanto, muito fiel aos ensinamentos e ao exemplo de Jesus. Infelizmente, a nossa experiência nos diz que é mais fácil ter inimigos e adversários do que amigos e companheiros de caminhada. É instintivo, talvez até natural, revidar quem nos bate. Pensamos que seja sempre melhor bater um pouco mais, para o outro não pensar somos fracos ou dispostos a apanhar. Andar espontaneamente mais do que formos forçados a fazer nos parece, no mínimo, loucura. A lei do máximo proveito com o mínimo esforço funciona demais. Vale no cumprimento das obrigações da profissão, dos horários no trabalho, dos deveres na escola. Quem fizer algo mais do previsto no regulamento é considerado bajulador, alguém que quer aparecer, traidor da classe trabalhadora ou, simplesmente, diferente, do qual é bom ficar longe. Quem grita por justiça, muitas vezes, quer vingança porque, no fundo, quer ver o outro sofrer. Rezar pelos perseguidores? Um absurdo! O que tem que pedir a Deus é o castigo para eles. Assim pensamos, assim agimos. Vivemos na defensiva. Podemos não ter armas nas mãos, mas o nosso coração é pior que um tanque de guerra: solta fogo a toda hora e em todas as direções. São palavras grosseiras, julgamentos, ameaças, gritarias. No melhor dos casos chegamos à indiferença e ao desprezo; muito dificilmente oferecemos a reconciliação, o abraço, a conversa amiga e fraterna.

Posso ter exagerado, mas os noticiários nos espantam, o medo nos torna violentos e a nossa “humanidade” fica, cada vez mais, “desumana”. Teríamos condição de pensar e agir de maneira diferente? Não seria este mais um exagero de Jesus pedindo-nos o impossível? A resposta dele é clara: Deus Pai “faz nascer o sol sobre maus e bons e faz cair a chuva sobre justos e injustos” (Mt 5,45). Ou seja, Ele ama a todos e a todos oferece a possibilidade de serem melhores. Os filhos verdadeiros só podem assemelhar-se ao Pai! Esse Pai é bondoso e misericordioso. Assim deveriam ser os filhos. Se acontecer o contrário, os que ainda não conhecem o Pai poderiam pensar que Ele é cruel e vingativo, que gosta mais de fazer sofrer do que de resgatar sempre de novo a dignidade dos seus filhos. Acabariam acreditando num Deus falso ou deixariam mesmo de acreditar. Se nem Deus é bom, a que serve a bondade? Por exemplo: perdoar, em certas circunstâncias, pode parecer um ato de heroísmo. No entanto deveria ser natural para os que se declaram filhos de um Pai que perdoa. Suportar incômodos para que os que causam isso entendam e se corrijam, antes de armar o barraco ou devolver o troco, deveria ser normal para quem diz ser filho de um Pai paciente e carinhoso. Assim acontece que, em lugar de aprender com Jesus a sermos “perfeitos” como o Pai é perfeito, chegamos a pensar que seja Ele o errado. Continuamos a dar-lhe sugestões para que nos ajude nos nossos planos, nada fraternos, de castigo, vingança e poder.  Como sempre, os que devem mudar são os outros. Po r que nunca pensamos que os “Judas” poderíamos ser nós mesmo? Ainda bem que Jesus aguarda sempre a nossa volta. Ele não tem inimigos, só pobres “amigos” confusos.

Em Macapá, matrículas para Educação de Jovens e Adultos seguem até 31 de março.

Estão abertas as inscrições para o programa EJA, que é oferecido para estudantes acima de 15 anos, que não concluíram os estudos na idade convencional ou buscam se alfabetizar.

Como se trata de uma clientela diferenciada, formada por adultos que, em sua maioria, têm uma rotina de trabalho e outras ocupações, as matriculas para este público seguem até o dia 31 de março, diferentemente para as séries iniciais, cujo processo encerrou nesta sexta-feira (17).

A rede municipal de ensino, em Macapá, conta com 21 escolas que atendem a EJA, sendo que oito delas se encontram em áreas rurais. Este ano, serão ofertadas 2.400 vagas. Até esta sexta-feira (17), foram efetivadas 1.124 matrículas.

Para efetivar a matrícula, o interessado deve procurar uma das escolas que atendem a modalidade, munido das seguintes documentações: RG, CPF, comprovante de residência, ressalva ou histórico escolar.

Locais de matrículas:

Nas escolas, Amapá (Trem), Esforço Popular (Muca), Wilson Malcher (Jardim Equatorial), Roraima (Buritizal), Eunice Picanço (Buritizal), Antônio Barbosa (Santa Inês), Maestro Miguel (P. Socorro), Eunice das Chagas (Pacoval), Caetano Tomaz (Fazendinha), Fortaleza (Igarapé da Fortaleza), Jose Leoves Teixeira (Renascer), Odete Lopes (São Lázaro), Jardim Felicidade (Jardim Felicidade I), Vera Lúcia Pinon (Infraero II), Lucia Neves Deniur (Liberdade), Ana Maria Ramos (Zerão), Neusona (Universidade), Raimunda de Lima Guedes (Marabaixo I), Góias (Distrito do Coração), Gerson Trindade (Km 9), Ilha da Croa da Pedreira (Comunidade da Pedreira), Pratinha (Distrito do Pacuí), Vô Lixandre (Maruanum) e Vila Progresso (Bailique).

No Amapá, Ministro do Desenvolvimento Agrário cumpre agenda em Macapá nesta sexta,17

Osmar Terra, Ministro do Desenvolvimento Agrário e Social. Foto: EBC

Osmar Terra, Ministro do Desenvolvimento Agrário e Social, visita o Amapá nesta sexta-feira (17), pela primeira vez para fazer a entrega de equipamentos ao Governo do Estado, que ao todo somam R$ 8.965. 300,00. A assinatura do repasse aconteceu em dezembro de 2016.

Ao todo serão repassados ao Amapá: 18 caminhões para transporte de até 12 toneladas, 4 pickups utilitárias, mais 20 computadores, 3 embarcações, balanças de piso móvel, entre outros equipamentos. Somado aos mais de R$ 2 milhões do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

O recurso é referente ao Contrato de Repasse para modernização das Unidades de Distribuição de Alimentos da Agricultura Familiar (UDAF), no Amapá, que terá contrapartida de R$ 765.300,00 do Governo do Estado.

O evento acontecerá no trapiche Eliezer Levi, na Beira Rio, a partir das 8h30.

Em Macapá, guardas civis municipais se reencontram para comemorar 9 anos de serviço público.

“Nosso maior orgulho é ter feito parte dessa turma que fez a diferença”.

Com esta frase, a guarda civil municipal, Daniele Duarte, descreve a alegria de reencontrar amigos da sua turma, aprovada no concurso para a corporação, ainda no ano de 2004, mas efetivada em 2008.

Na tarde desta quinta-feira (16), um grupo de 11, hoje, também servidores de outras instituições esteve reunido para relembrar momentos de uma trajetória de vitórias e grandes conquistas.

“Muitos de nossos colegas da época, hoje são advogados, policiais militares, bombeiros, servidores do Ministério Público. Mas que tem em comum, o inicio de tudo, aqui na guarda municipal”. Descreve Dani Duarte.

O encontro dos bravos servidores foi realizado no prédio da Câmara de Vereadores de Macapá.

Em Macapá, ex-jogadores buscam apoio da Câmara Municipal pela reforma do estádio “Glicerão”.


Ex-jogadores de futebol, desportistas e torcedores estiveram nesta quinta-feira, 16, na Câmara Municipal de Macapá (CMM) para acompanhar o debate sobre a mobilização “SOS Glicerão”. A pauta foi debatida durante a sessão ordinária da CMM.

A convite do vereador Rayfran Beirão (PR), o presidente da Associação de Ex-jogadores de Futebol do Amapá (Escrete), Germano Thiago, esteve na tribuna da casa para falar sobre o assunto. Segundo Germano “O Thiaguinho”, a proposta é sensibilizar as autoridades públicas quanto a reforma urgente do Estádio Glicério de Souza Marques, o “Glicerão”.
“Fui gandula no Glicerão, e hoje, sou ex-jogador de futebol e nos incomoda muito em ver que há quase dez anos o estádio não recebe investimentos”. Exclamou.

Os vereadores presentes na sessão foram unânimes em apoiar a mobilização SOS Glicerão.

A Prefeitura de Macapá anunciou uma reforma no único estádio municipal da cidade, mas até o momento, nenhum trabalho foi iniciado.

 

Em Macapá, Vereador Caetano Bentes propõe melhorias para o bairro Congós.

 

Demandas debatidas por moradores do Congós, durante audiência pública, serão apresentadas na Câmara municipal pelo vereador Caetano Bentes

Durante sessão na CMM, o vereador de Macapá, comunicou que irá repassar para a Câmara Municipal, em forma de requerimentos, as demandas apresentadas pela comunidade do bairro Congós.

Os problemas foram debatidos durante audiência pública, ocorrida no último final de semana. “O que foi exposto na audiência pública, será encaminhado para apreciação na Câmara, e com certeza, enviadas aos órgãos responsáveis pela solução”, disse.

As principais demandas debatidas foram referentes à iluminação, segurança, transporte público, pontos de ônibus, áreas de ressaca, e atendimento médico. Presidentes de instituições com representatividade no bairro, e moradores, usaram o microfone para falar com representantes da Segurança Pública, secretário Ericláudio Alencar, da saúde municipal  e estadual, e Obras, além do vereador Caetano Bentes.