No Amapá, soldado que denunciou suposto assédio sexual enfrenta processo de deserção

Por Cássia Lima/Jornalista

A corregedoria do Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM-AP) instaurou um processo de deserção militar contra a soldado Karla Samara Costa dos Santos, que denunciou ter sido vítima de suposto assédio sexual na corporação. De acordo com a portaria do CBM-AP, a militar se ausentou do trabalho sem explicações.

Segundo o presidente do processo de deserção, capitão José Barbosa Ramos, a soldado estava lotada no Gabinete de Segurança Institucional, mas deixou de ir ao trabalho e não apresentou justificativa.

“Chegou o ofício na corregedoria, e nós temos uma assinatura que entendemos ser o recebido dela. Ela figura como ausente, no momento. Ela ainda não é desertora”, falou o capitão, que não soube precisar o período exato da ausência da soldado.

Prazo– O capitão Ramos explicou que a partir da data de publicação da portaria, a militar tem 8 dias para se apresentar presencialmente no recursos humanos do Corpo de Bombeiros. O prazo termina neste sábado, 24.

Após esse prazo, segundo o artigo 187 do Código Penal Militar, a soldado pode ser considera desertora podendo inclusive ser presa. O artigo tem como prerrogativa os princípios do militarismo e do juramento.

Diligências– “A gente já foi à casa dela, mas não conseguimos encontrá-la. O advogado dela disse que ela iria se apresentar há uns dias, mas, até agora, não tivemos resposta. Recebemos um atestado dela, e estamos fazendo novas diligências para averiguar se esse atestado foi homologado no Centro de Saúde da corporação”, disse o capitão. 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *