No Amapá, governador Waldez Góes abre orçamento de 2019

O governador do Amapá, Waldez Góes, assinou nesta quarta-feira, 16, o Decreto Nº247/2019, instrumento que abre o orçamento do Poder Executivo estadual durante o exercício financeiro de 2019.

A assinatura aconteceu no Palácio do Setentrião, em Macapá, durante uma reunião na qual gestores estaduais receberam orientações sobre controle e qualificação dos gastos públicos. Na oportunidade, Góes também assinou o Decreto Nº0246, que aprova o quadro de detalhamento das despesas dos órgãos da administração direta e indireta. Este é o quarto ano consecutivo em que o Governo do Amapá abre o orçamento durante o mês de janeiro.

Valores– O orçamento para 2019 foi fixado em R$ 5.930.147.371,00. O valor destina-se às ações de cinco eixos de desenvolvimento: Social, Econômico, Infraestrutura, Defesa e Gestão e Finanças. Cada eixo estratégico abriga, de forma transversal, inúmeros setores de governo para atender, qualitativamente e quantitativamente, às necessidades da população por meio da prestação dos serviços públicos. O documento será publicado no Diário Oficial do Estado do Amapá nesta quinta-feira, 17.

Contingenciamento– O Decreto Nº247/2019 prevê o contingenciamento de 30% do orçamento dos órgãos do Poder Executivo estadual, com exceções como despesas com programas sociais e dos setores de saúde, educação e segurança pública.

O secretário de Estado de Planejamento (Seplan), Eduardo Tavares, explica que o contingenciamento é necessário para que o Poder Executivo estadual possa cumprir as metas estabelecidas pelo Comitê de Controle e de Qualidade do Gasto Público (CQG) – um mecanismo que, de forma permanente, vai controlar e monitorar o cumprimento de medidas de contenção de gastos no Executivo estadual.

Em Macapá, moradores do Marabaixo e Jardim América denunciam abandono de terrenos 

Moradores residentes no Marabaixo e Jardim América (Marabaixo 4), zona oeste de Macapá, denunciam o abandono de dezenas de terrenos e construções inacabadas nos dois bairros.

Abandono– Segundo relatos de famílias que sem moradia resolveram ocupar alguns deste lotes, mas preferem não se identificar temendo represálias por parte dos donos dos terrenos, as dezenas de construções inacabadas e terrenos abandonados servem apenas para esconderijo de bandidos e de roubos, boca de fumo e acúmulo de mato e lixo, que provocam doenças.

De acordo com a denuncia, existem terrenos abandonados há quase dez anos, praticamente o mesmo tempo de criação dos dois bairros.

“Quando uma família pobre sem moradia ocupa um terreno ou uma construção abandonada, sempre aparece alguém se intitulando dono, mas aqui no Jardim América ninguém tem título de domínio dos lotes. Aqui inicialmente era invasão”, denuncia a vendedora Paula Queiroz Lemos da Silva.

Providências– Os moradores pedem providências da Prefeitura de Macapá quanto a questão das construções inacabadas e terrenos abandonados no Marabaixo e Jardim América para que sejam ocupados ou retomados pelo município para serem doados aquelas famílias que de fato necessitam de moradia.

Existe informação de que muitos dos terrenos ou construções abandonados no Marabaixo e Jardim América pertencem a policiais militares, servidores públicos e até jornalistas. 

No Amapá, caminhada marca a luta contra a intolerância religiosa

Agendada para o dia 21 deste mês, a IV Caminhada das  Bandeiras de Matrizes Africanas, no Amapá. A concentração será às 15 horas, na praça Veiga Cabral.

A organização é do Movimento Juventude de Terreiros do Amapá, em parceria com instituições religiosas de Matriz Africana. O tema da programação deste ano será “Cultura: ancestralidade de um povo”.

Segundo Alessandro Brandão, um dos organizadores do    evento, a proposta é gerar maior visibilidade a cultura dos terreiros. “O tema deste ano demonstra que temos cultura em nossos templos. Os toques e festas tradicionais ocorrem a todo momento, mas são poucos divulgados”, destaca.

A data de combate à intolerância religiosa foi instituída em 2007 depois da morte da sacerdotisa do candomblé Gildásia dos Santos, conhecida como Mãe Gilda. Após ter a casa e o terreiro invadidos por grupos de outra religião e o marido agredido, a Iyalorixá morreu em decorrência de um infarto. Atualmente, o dia é uma oportunidade para atentar sobre a necessidade de se respeitar a diversidade religiosa e, assim, reduzir os casos de crimes de ódio no país.

No dia 21, antes da caminhada haverá apresentações culturais de marabaixo, capoeira, hip-hop e rituais afro-religiosos com roda de cânticos das nações religiosas. Às 16 horas começa a caminhada pela Rua Cândido Mendes, passando pela Avenida Henrique Galúcio até a Praça Floriano Peixoto.

No Amapá, Roberto Góes escalado para chefiar delegação da Seleção Sub-20

0

O presidente da Federação Amapaense de Futebol (FAF), Roberto Góes, será o chefe de delegação da Seleção Brasileira Sub-20.

A seleção vai disputar o Campeonato Sul-Americano este mês no Chile. A competição dá vaga para o Mundial da categoria.

Roberto Góes é um dos apoiadores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O dirigente amapaense tem participado de delegações da seleção brasileira na categoria de base e até em competições internacionais.

Sul-Americano– O Brasil está no Grupo A. A estréia da seleção será dia 19 deste mês contra a Colômbia. A seleção também vai enfrentar Bolívia, Chile e Venezuela. Os três melhores colocados avançam para a próxima fase.

A competição dará quatro vagas para o Mundial Sub-20, na Polônia, que acontece ainda este ano.

No último Sul-Americano, ano passado, no Equador, o Brasil terminou em quinto lugar e não foi ao Mundial da Coreia do Sul. O Brasil, dirigido por Carlos Amadeu, tentará no Chile voltar a conquistar o título depois de três edições de jejum – o último Sul-Americano conquistado pelo país foi em 2011, no Peru.

Em Macapá, vereador Cláudio Góes faz avaliação do mandato

O vereador Cláudio Góes (PDT) encerra o ano de 2018 com saldo positivo. Ele avalia que aproximar o mandato da população foi um avanço significativo na missão de representar dignamente a população macapaense.

Neste período, o vereador defendeu dezenas de requerimentos, indicações, proposituras e Projetos de Leis de interesse dos mais diversos segmentos  da sociedade, entre eles, ambulantes, mototaxistas, taxistas, desportistas e servidores públicos. O parlamentar também se posicionou contra o reajuste da tarifa de ônibus em Macapá.

Uma das conquistas do vereador foi a contratação de um médico do Programa Mais Médico para o distrito Maruanum, há 60 quilômetros da capital. “Após incessantes cobranças junto a Prefeitura de Macapá, o nosso apelo foi atendido e a Unidade Mista de Saúde foi contemplada com a contratação de um profissional médico”, completa.

Lei– Cláudio Góes também teve Projeto de Lei aprovado que aumenta de 8 para 10 anos, o prazo de vida útil das motocicletas utilizadas no serviço de mototaxi na capital. O PL ainda depende da sanção do prefeito Clécio Luis para entrar entrar em vigor, e beneficia mais de 2 mil mototaxistas legalizados em Macapá.   

O parlamentar pede ainda a redução do valor da taxa de licenciamento para ocupação do solo, pelos ambulantes, em logradouros públicos da capital. A taxa cobrada hoje pelo município chega até 1 mil reais/anual. A redução vai beneficiar mais de 50 pequenos ambulantes. 

Mandato– Cláudio garante que em 2019 continuará com o mandato a disposição da sociedade. “Sou um  vereador do povo, das causas sociais”, finaliza.  

Em Macapá, moradores da Rua Mendonça Furtado pedem desobstrução de galerias

Por Jornalista Edy wilson Silva

Dezenas de famílias residentes na Rua Mendonça Furtado, no centro de Macapá, uma das principais vias da capital, pedem a desobstrução das galerias e sistemas de esgotos existentes no local.

Segundo os moradores, todos os anos com a chegada do inverno rigoroso, a situação se agrava e o trecho entre a Rua Mendonça Furtado e as Avenidas Jovino Dinoa e Odilardo Silva, fica completamente alagado, obstruindo canais e gerando muitos transtornos para as famílias que ali residem.

A moradora Tacirene Coelho de Freitas, que mora há 25 anos no local, diz que a maioria dos bueiros existentes no trecho taparam e o acúmulo de água é inevitável. “Em umas enchentes enfrentadas por nós moradores da Rua Mendonça Furtado eu perdi colchão, armário de cozinha, entre outros utensílios domésticos. Tivemos que gastar muito para elevar o nível do piso para evitar que a água da chuva invadisse novamente nossa casa”.

Apelo– O professor aposentado Mauro Lobato Dias Vieira, 68, e que reside na Mendonça Furtado há 35, ressalta que nunca foi feito um serviço de desobstrução das galerias no trecho. Segundo ele, preocupados com o inverno rigoroso anunciado para este semestre, moradores do local preparam um abaixo-assinado para entregar as autoridades públicas pedindo a execução de obras no trecho reclamado. 

Em Macapá, baixa procura pela vacina contra HPV preocupa especialistas

Responsável pela unidade de vacinação da Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Perpétuo Socorro, em Macapá, a técnica em enfermagem Liliane França reclamou da pouca procura pela vacinação contra HPV.

Liliane França fez um apelo para que pais e responsáveis levem os filhos para serem imunizados e explicou que a vacina é disponibilizada para meninos de 11 a 14 anos e meninas de 9 a 14 anos.

Vacinação– De acordo com o Ministério da Saúde, a vacinação se reveste de maior importância ainda por conta de levantamento oficial que revela que mais da metade dos jovens brasileiros entre 16 e 25 anos possuem algum tipo de HPV. E, em 38,4% deles, tratam-se do subtipos de alto risco, mais associados a câncer.

Prevenção- A vacina contra o HPV, ou papiloma vírus humano, é dada em forma de injeção e tem como função prevenir doenças causadas por este vírus, como lesões pré-cancerosas, câncer do colo do útero, vulva e vagina, ânus e verrugas genitais. Esta vacina pode ser tomada no posto de saúde e clínicas particulares, mas também é oferecida pelo SUS nos postos de saúde e em campanhas de vacinação nas escolas.

Oferecida pelo SUS, a vacina protege contra os 4 tipos de vírus HPV mais comuns no Brasil. Após a vacina o corpo produz os anticorpos necessários para combater o vírus e assim, caso a pessoa seja infectada, ela não desenvolve a doença, ficando protegida.

No Amapá, vice-governador Jaime Nunes visita empresa e destaca valorização da mão de obra local


l

Com o objetivo de estreitar cada vez mais as relações com as empresas do setor privado, na busca de alavancar o crescimento econômico do Amapá por meio da geração de emprego e renda, o vice-governador do Amapá, Jaime Nunes (PROS) e a diretora da Agência Amapá, Tânia Miranda, visitaram, na última quinta-feira, 10, as instalações da Fattor Brasil Construções e Estruturas Metálicas, em Santana.

Atualmente a empresa executa, no Estado, a ampliação do pátio de estocagem e linha de transportadora aérea da empresa Amcel Florestal e Celulose S/A. Com aproximadamente 1,6 milhões de quilos de aço, a obra conta com 100 trabalhadores envolvidos na fabricação e montagem de toda estrutura metálica.

Após conhecer todo o espaço da empresa e acompanhar um pouco das atividades dos colaboradores, o vice-governador elogiou a geração de emprego e renda proporcionada na economia local.

Valorização– É isso que buscamos: a valorização da população, tanto por meio da oportunidade de emprego, como a compra de materiais locais. É importante fortalecer o que já está instalado no Estado e abrir novos campos de trabalho, vamos trabalhar nesta corrente. Além do comprometimento com o progresso de modernização, a empresa investe na qualificação, segurança e capacitação de seus colaboradores”, destacou Jaime Nunes.

Investimento– “Nossa empresa acredita muito no poder de governança da atual gestão, e por partilhar das mesmas ideias, já está investindo nas instalações de uma nova fábrica de estrutura metálica no Amapá”, informou o diretor comercial da Fattor Brasil, Rafael Burian.

Em Macapá, Defesa Civil Estadual mapeia 31 pontos de alagamentos

A Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (Cedec), órgão ligado ao Corpo de Bombeiros Militar (CBM/AP), atualizou o levantamento, iniciado em setembro passado, sobre as áreas de risco de alagamentos em Macapá, visando garantir as ações a serem realizadas nestes locais.

Em Macapá, a Cedec mapeou 31 áreas de riscos, sendo 8 na zona norte, 15 na área central e 8 na zona sul. Os bairros Novo Horizonte, São Lázaro, Pantanal, Cidade Nova, Laguinho, Santa Rita, Centro e Novo Buritizal, apresentam dois pontos de risco cada.

De acordo com a chefe da Divisão de Prevenção e Planejamento da Cedec, tenente Meiry Lima, o levantamento das áreas de riscos está dentro do plano de contingência (Placon), elaborado pelo órgão e que são repassados para diversas secretarias e para a defesa civil municipal.

“O objetivo é garantir que as ações a serem realizadas ocorram de forma conjunta com esses órgãos”, frisou.

Sobre a situação em outros municípios, a chefe da Divisão de Prevenção e Planejamento da Cedec reforçou que o monitoramento está sendo feito em conjunto com a defesa civil de cada cidade.

Chuvas– As chuvas chegaram mais cedo ao Estado, de acordo o Núcleo de Hidrometeorologia e Energias Renováveis (NHMET), do Instituto de Pesquisas Cientificas e Tecnológicas do Amapá (Iepa), provocadas pela influência do fenômeno La Ninã, que diminuiu o período de estiagem no Amapá, ocasionado chuvas a partir de novembro.

Buscando orientar a população sobre os cuidados neste período, a Cedec, passou a divulgar através de painéis de led em alguns pontos da cidade, as ações e os cuidados que a população tem que ter neste período de chuvas.

Em caso de situação de alagamentos, é importante que o cidadão tenha em mãos os documentos, que poderá ser usado em caso de solicitação de abrigo. Quem reside nestas áreas de risco, devem ficar atentos ao nível de rios e igarapés. Nunca deixar criança sozinha e trancada dentro de casa. Caso a defesa civil determine a saída do imóvel, retornar somente após o órgão autorizar.

“Importante que a pessoa não retorne pra sua residência por conta própria após o alagamento, pois, pode ocorrer que as águas dos rios e igarapés voltem a subir e geralmente quando isso ocorre, costumam ser maior que a anterior”, destacou a oficial.

Prevenção– A Cedec recomenda às famílias que moram em locais que apresentam risco de alagamento ou deslizamento, que acionem a Defesa Civil pelo número 193 ou pelo 4009-9195. Outra recomendação é para que a população evite contato com a água da chuva que escorre pelo chão, para não contrair doenças como leptospirose

Em Macapá, internautas ameaçam incendiar ônibus em protesto a reajuste de tarifa

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amapá (Setap) aponta como ato de vandalismo, as ameaças feitas por internautas em redes sociais de incendiar ônibus, em protesto ao reajuste da tarifa de ônibus em Macapá.

Segundo o Setap, as ameaças se comparam aos atos de vandalismo que ocorrem no Estado do Ceará, promovidos pelo crime organizado. Os representantes dos empresários de ônibus da capital denunciaram aos órgãos de segurança pública as ameaças de atos de vandalismo.

Os sindicalistas garantem que as mensagens circulam em grupos de Whatsapp e em páginas do Facebook. Uma das ameaças teria partido do Movimento Brasil Livre (MBL) Macapá, que fez uma manifestação nesta  quinta-feira, 10, na Praça da Bandeira contra o eventual reajuste da tarifa de ônibus.