O Desafio: Renca sem cadeado

Por: Rodolfo Juarez

Dirigentes e alguns influentes ocasionais continuam com medo que o Estado do Amapá se desenvolva.
Não assumem responsabilidades e dão a impressão que estão conformados com o status que o estado sustenta de ser um dos mais dependentes das transferências constitucionais feitas pela União.
As oportunidades têm aparecidas, mas, mesmo assim, a competência e o arrojo, principalmente dos governantes e dos empreendedores locais, tem atuado como âncora que não deixa o “barco” sair do lugar e, no máximo, movimentação de acordo com a maré, ficando sempre como quer a corrente natural.
A lei do menor esforço tem prevalecido de maneira estranhamente solidificada.
Quando os empreendedores se alinham com o pensamento comodista dos governantes, seja pelo convencimento ou aceitando as migalhas que o poder impõe para os fracos, então nesse momento se alcança o extremo do comodismo e da falta de iniciativa.
Mais uma vez governantes e investidores são desafiados!
Os primeiros para aceitar a incumbência que a história está lhe oportunizando e, os segundos, para exigir os limites que os legisladores têm a obrigação de disponibilizar para toda a sociedade.
Temos um monte de riquezas, trancadas em um “galpão” que não nos era permitido sequer saber qual o volume dessa riqueza e, não mais que de repente, a porta é aberta e os vigilantes, ao invés de entrar para saber o que têm, estão pugnando pela reposição do “cadeado”, muito embora saibam que ali dentro estão riquezas que podem ser traduzidas em empregos, renda e melhoria de qualidade de vida.
Basta estabelecer regras e fazer a parte que lhes cabe – fiscalizar de maneira eficiente.
Mas não! Há aqueles que pedem o cadeado fechado com medo que, dali possam surgir, além dos empregos, das riquezas, da qualidade de vida, pessoas que venham com outro discurso capaz de substituí-los nos gabinetes confortáveis das câmaras de vereadores, assembleia legislativa, câmara dos deputados e no senado federal, como também nos gabinetes das chefias dos poderes.
A extinção da Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (RENCA) uma área com mais de 46 milhões de hectares, cuja metade está no Amapá e que se sabe ser rica em ouro, platina, cobre, ferro, manganês e níquel, foi aberta, por um Decreto Federal, para pesquisa e extração em, aproximadamente 30% daquela área, ou seja 13,8 milhões de hectares, onde pelo menos a metade está no Amapá.
Alegar riscos para as áreas de proteção integral, áreas de uso sustentável dos recursos e áreas indígenas, parece ser ter medo do futuro, só porque ele vai exigir trabalho duro e atenção redobrada.
Ao invés de ficar se alinhando às opiniões de top model, de ambientalistas financiados por potências estrangeiras, os governantes, os empreendedores, os amazônidas, especialmente os amapaenses, devem arregaçar as mangas, e garantir que a extinção não afasta a aplicação da legislação específica sobre proteção da vegetação nativa, unidades de conservação da natureza, terras indígenas e áreas de fronteira.
Quem pretende deixar esse monte de riqueza estratégica, da qual o país declara estar precisando, em áreas do Amapá, que busca, urgentemente, um caminho para o seu desenvolvimento, não está jogando no time do Amapá, ou se estiver, pode ter certeza que quer fazer gol contra.

 

Escola Judiciária do TRE Amapá promove lançamento do projeto “Voto Consciente”

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP), através da Escola Judiciária Eleitoral do Amapá (EJE-TRE-AP), realizou na tarde desta sexta-feira (25), na instituição de ensino privada “Conexão Aquarela”, o lançamento do Projeto “Voto Consciente”, dentro do Programa Eleitor do Futuro, da Justiça Eleitoral.

O diretor da EJE-TRE-AP, juiz Léo Furtado, destacou a importância da realização deste projeto, em parceria com as instituições de ensino públicas e privadas, dada a responsabilidade que a escola exerce na formação dos novos cidadãos. “A escola tem esse trabalho de conscientizar os jovens, para quando eles forem votar ou ser votado, fazer da maneira correta”, disse o magistrado, durante sua fala.

O coordenador da EJE-TRE-AP, Rinaldo Farias, disse que o objetivo do projeto é contribuir para a futura formação política dos estudantes. Ele proferiu uma palestra, ao lado da servidora Maria Eliane, para alunos de faixa etária entre 15 e 16 anos, sobre a importância do voto, o regime democrático brasileiro e a consciência política.

Bruno Mineiro recebe agradecimentos de atletas pelo apoio ao esporte.

Durante a semana, o empresário e ex-deputado estadual Bruno Mineiro, participou de várias reuniões com lideranças políticas e comunitárias, em diversas regiões do estado do Amapá e nos municípios de Pedra Branca e Serra do Navio.

Ele também participou de importantes eventos oficiais do Governo do Estado, com destaque para o Programa “Bolsa Escola”, projeto que contempla cerca de 40 atletas de várias modalidades, com um salário mínimo, por 12 meses, para custear despesas para o desenvolvimento e preparação de suas atividades esportivas.

Atletas, principalmente do futebol, agradeceram a Bruno Mineiro, pelo incentivo e apoio constante, na realização de campeonatos e torneios.

Mineiro disse que, incentivar a prática do esporte, seja qual for a modalidade, é na verdade investir em qualidade de vida. “Quando é realizado um campeonato, de esporte amador, por exemplo, podemos revelar grandes profissionais. Quem sabe um novo craque pode surgir”, completou.

Bruno Mineiro também defende investimentos no futebol profissional, a fim de dar mais visibilidade ao esporte amapaense no cenário nacional.

Augusto Cury em Macapá, ingressos limitados frustram interessados em participar de palestra.

Augusto Cury; foto divulgação

O número limitado de ingressos, tem sido a reclamação de inúmeras pessoas que gostariam de participar da palestra do psiquiatra, psicoterapeuta, escritor e pesquisador, Augusto Cury.

Autor de best-sellers que fazem milhões de leitores no Brasil e no mundo, Augusto Cury participa de um evento promovido pelo Sebrae-AP, no dia 30 deste mês.

Segundo informou a organização do evento, a procura por ingressos para o dia 30, superaram as expectativas, esgotando as vendas em menos de uma semana.

Augusto Cury

É psiquiatra, psicoterapeuta, escritor e pesquisador. Autor da Teoria da Inteligência Multifocal, possui em sua biografia um acervo de 43 obras publicadas em mais de 60 países.

Possui PhD (Doctor of Business Administration) pela Florida Christian University EUA. Criador e Idealizador do Grupo Educacional Augusto Cury GEAC e da Metodologia Augusto Cury, que amplia o acesso e o desenvolvimento de habilidades socioemocionais e das funções mais complexas da inteligência para a construção de uma sociedade mais saudável.

Você é workaholic ?? saiba os cuidados a serem tomados

Cenas comuns em reuniões de negócios são executivos disputarem quem está trabalhando mais, como se isso fosse motivo de orgulho, contudo, o que não se percebe nessas situações é que pode se estar caracterizando uma disfunção, que é o fato de ser um workaholic.

Mas, o que é workaholic e quais os riscos envolvidos com esse problema? CelsoBazzola, diretor executivo da Bazz Consultoria, listou as principais dúvidas relacionadas ao tema.

Veja alguns pontos relacionados ao tema:

1 – Características do workaholic
Características de pessoas com esse problemas são fáceis de perceber, são elas que constantemente trabalham mais de 12 horas por dia no escritório e ainda leva serviço para casa, é ela também que constantemente recebe críticas por no fim de semana ficar sempre de olho no celular e checar as mensagens a cada hora para ver se existe alguma pendência no trabalho.

2 – Eu sou?
Segundo o especialista em recursos humanos Celso Bazzola, diretor executivo da Bazz Consultoria, é mais fácil localizar uma pessoa com esse problema do que tratar. “Hoje são constantes os casos de workaholics e isso se percebe a partir do momento que a pessoa não consegue se desligar do trabalho, deixando de lado sua convivência social, seja com familiares ou amigos. Assim a pessoa se torna um trabalhador viciado e compulsivo, mesmo fora de seu ambiente de trabalho ele cria um novo ambiente recheados de temas  sobre seus negócios, não há situação que o faça se desligar do trabalho”.

Sintomas desse distúrbio de comportamento é uma autoestima exagerada, insônia, mau-humor, impotência sexual, atitudes agressivas em situações de pressão e, muitas vezes, depressão.

3 – Problemas relacionados
Para Bazzola, a situação pode ser bastante problemática e pode trazer sérios prejuízos para o profissional e, até mesmo, à empresa. “Acredito que para empresa a situação traz mais desvantagens do que vantagens. Inicialmente pode ser interessante, pois a velocidade dos resultados é satisfatória, porém há um desgaste emocional natural do profissional, pois ele estará isolado e restrito ao tema trabalho, bloqueando sua sociabilização o que poderá resultar em sérios transtornos futuros para sua vida”.

A situação pode ser tão grave que estudos recentes de casos clínicos em consultórios psicológicos e psiquiátricos apontam que o vício de trabalho é similar à adição ao álcool ou cocaína. Tornado o trabalho, nesses casos uma obsessão doentia.

4 – É preciso saber viver!
Segundo Celso Bazzola, “não há pecados em trabalhar esporadicamente além de sua carga diária, desde que essa ação seja meramente por necessidade de urgência e de impacto específico. Isso, para o mercado de trabalho, acaba sendo um diferencial, mas, o profissional e as áreas de Recursos Humanos devem identificar quando não há exageros em uma rotina normal de trabalho. A partir do momento que a carga horária começa a extrapolar constantemente é momento de refletir. O trabalho será saudável enquanto não aprisiona a pessoa na necessidade constante de falar e estar agindo pelo trabalho”.

O caminho para combater esse problema é assegurar o equilíbrio, entre a vida pessoal e profissional, buscar valorizar mais os momentos de lazer e perceber que o descanso é fundamental para melhoria de resultados e busca de novas ideias que podem potencializar os resultados no trabalho.

5 – Workaholic x Worklover
É importante sabermos diferenciar o amor ao trabalho do vício. Um worklover tem noção de que o excesso se refletirá em conflitos nos relacionamentos pessoais, além de proporcionar efeitos nocivos à saúde e bem-estar. Existem profissionais que buscam entregar resultados e isso é positivo. É importante ter em mente que, o fato de ser um workaholic não significa que o profissional seja mais produtivo. Muitas vezes, vemos pessoas que não conseguem ter organização no seu dia a dia e acabam trabalhando mais tempo para entregar o mesmo resultado.

É importante lembrar que a vida é muito mais do que só trabalhar e que uma mente que não descansa não é totalmente sã. Assim, não adianta trabalhar demais, isso possivelmente ocasionará erros e retrabalhos. Portanto, tem que parar de trabalhar até para poder trabalhar bem. É uma questão de lógica.

Colaboração: Paulo Fabrício Ucelli

 

Em Macapá, fórum debate tema do Grito dos Excluídos 2017

O Conselho de leigos e leigas, pastorais, movimentos, paróquias, comunidades eclesiais de base da Diocese de Macapá, em conjunto com sindicatos, associações e outros movimentos populares organizam o 23º. Grito dos) Excluídos em Macapá, que este ano acontecerá no dia 2 de setembro, sábado, em razão de outras celebrações que estão programadas para o dia 7, data simbólica do Grito, feriado da Independência do Brasil.

Antes da realização da manifestação do Grito, haverá o fórum sobre o lema deste ano: “Por direitos e democracia, a luta é todo dia!”, e o tema geral: “Vida em primeiro lugar”.

Como o Grito de Macapá será na zona norte da cidade, o fórum também ocorrerá na mesma região, no sábado (26), 14h, no salão da igreja matriz de Nossa Senhora de Nazaré, na rua Coqueiro, 401, bairro Brasil Novo.

Grito dos Excluídos

Este ano o Grito será na zona norte de Macapá, dia 02 de setembro, com a concentração a partir das 08 horas da manhã e em seguida o início da manifestação pública em frente da igreja Santa Cristina, na comunidade Ilha Mirim.  A caminhada seguirá direto pela avenida Carlos Lins Cortês, com diversas paradas para a as apresentações e reflexões dos eixos, as principais reivindicações do Grito em âmbito nacional e local. A chegada e conclusão será na área da igreja Nossa Senhora Rainha da Pa z, no bairro Infraero II.

Com informações da Pastoral da Comunicação – Oscar Filho

OAB/AP se destaca nacionalmente por abrir vagas para Mestrado e Doutorado em Lisboa

Do site www.amodireito.com.br

Vice-presidente da OAB/AP, Dr. Auriney Brito. Foto: Clay Sam

No último dia 18 aconteceu em Macapá/AP, o evento que marcou o início das atividades acadêmicas decorrentes do termo de cooperação científica firmado entre OAB/AP e Universidade de Lisboa.

Além das autoridades do Estado, estiveram presentes no evento o Vice-presidente Nacional da OAB, Dr. Luis Claudio Chaves; o Presidente da OAB/RJ, Dr. Felipe Santa Cruz; o Conselheiro Federal da OAB/AC, eleito para o Conselho Nacional do Ministério Público, Dr. Erick Venâncio. O evento também contou com a presença do Conselheiro Mundial das Comunidades Portuguesas no Brasil, Dr. Luis Paulo Pina, autoridade internacional que também veio ao Amapá.

Além das autoridades convidadas, mais de 700 participantes lotaram o Teatro das Bacabeiras para prestigiar as palestras do Dr. André Meira, Presidente do Instituto Silvio Meira, do Professor Raimundo Neto, Secretario Executivo do Instituto de Direito Brasileiro da Universidade de Lisboa, e da estrela da noite, Prof. Eduardo Vera-Cruz Pinto, Catedrático da Universidade de Lisboa, que Ministrou a Aula Magna para a turma de Mestrandos e Doutorandos da OAB/AP.

“Foi além das nossas expectativas. Estamos todos muito felizes com o que foi conquistado. Mais ainda por saber que estamos servindo de exemplo para o País. Cuidaremos pra que todos os advogados e advogadas do País tenham essa oportunidade.” Disse o Vice-presidente da OAB/AP, Dr. Auriney Brito, idealizador e coordenador do Projeto.

A importância da iniciativa já foi reconhecida por outras seccionais, especialmente as do Norte e Nordeste do País, mais carentes do ensino jurídico. Advogados do Acre, Para, Amazonas e Bahia, foram ao Amapá registar-se na seccional, apenas para garantir o direito de concorrer à uma das vagas.

Em outubro deste ano uma turma de 30 advogados e advogadas inscritos no Amapá partem para Lisboa. 20 para o mestrado e 10 para o Doutorado. A linha de pesquisa é interdisciplinar envolvendo história do Direito com ênfase em Direito Romano.

Estão abertas as inscrições para a AMAAP Open de Ciclismo

As inscrições para a AMAAP Open de Ciclismo (Troféu Juiz Petrus Soares de Azevedo) iniciam nesta segunda-feira (21) e encerram no dia 8 de setembro. A prova ocorrerá no dia 17 de setembro, e será etapa que somará pontos para o ranking brasileiro de ciclismo.

Os atletas que concorrerão nas categorias oficiais da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) devem fazer a sua inscrição na sede da Federação Amapaense de Ciclismo (FAC), mediante o pagamento da taxa.

As categorias oficiais contemplarão: Elite Masculino, Feminino, Máster A (30-39), Máster B (40-49), Máster C (50-59), Junior, Juvenil. A premiação para esta classe somará um total de R$ 6.500 reais aos vencedores. Os grupos infanto-Juvenil e veterano também participarão, mas sem premiação em dinheiro.

 

A glória de Maria – Dom Pedro Conti

                         Dom Pedro José Conti

Bispo de Macapá

Tomo emprestada a história milagrosa do escravo Zacarias, que encontrei numa cartilha de Novena do Tricentenário de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. “O escravo Zacarias estava sendo reconduzido à fazenda de onde fugira, em Curitiba, Paraná. Preso por grossas correntes, ao passar perto do Santuário, Zacarias pediu ao seu feitor que o deixasse rezar na porta da Capela da Santa Aparecida. Recebendo a autorização, o escravo ajoelhou-se e rezou uma prece sentida. O que teria pedido? De seus pedidos não sabemos, mas sabemos a resposta que a Virgem Negra lhe deu: as correntes milagrosamente se soltaram, deixando-o livre e feliz.”

Neste terceiro domingo de agosto, celebramos a solenidade da Assunção de Maria ao céu. O “dogma” da Assunção foi definido no ano de 1950, durante o pontificado de Pio XII. Somos convidados, pela Igreja, a acreditar que Maria, pela singular e única condição de ter sido a mãe de Jesus, participe antecipadamente da glória e da alegria da ressurreição. Essa participação foi, também, prometida para todos aqueles que acreditarem no Senhor, mas somente no “último dia” (Jo 6,54). Um privilégio , então, de Maria. Sem dúvida, mas somente na antecipação de algo que todo crente aguarda com esperança e fé. Neste Ano Mariano Nacional, queremos mais ainda aclamar a glória de Maria. São cerca de 13 milhões os peregrinos que, a cada ano, visitam o Santuário Nacional de Aparecida. Não é só aquela “imagem” pequena e escura que atrai tantas pessoas: é a fé, a confiança, a simplicidade de poder chamar Maria de “mãe”, depois daquelas palavras de Jesus na cruz: “Mulher, eis o teu filho” (Jo 19,26).

Ser mãe significa gerar e defender a vida. É um compromisso, mas, sobretudo, uma missão. Cada dia mais, entendemos que não basta colocar um ser humano no mundo. A gestação é somente a primeira parte de um longo processo de aprendizagem. Todos fomos conduzidos pela mão de alguém na descoberta das coisas, das pessoas, da comunicação. Aprendemos a conviver, a respeitar, a dizer a verdade olhando nos olhos das nossas mães. Fomos carregados, quando ainda não sabíamos caminhar; fomos consolados, quando as lágrimas das quedas, da s derrotas e das decepções escorriam pelo nosso rosto. Ouvimos palavras de encorajamento, quando começaram os primeiros embates da vida e tivemos que aprender a nos virar sozinhos. Aprendemos mesmo ou, crescidos, fizemos questão de esquecer os conselhos de quem nos conhecia desde pequenos? A resposta é pessoal.

O mês de agosto é, também, o mês vocacional. Talvez ser “mãe” seja uma vocação que precisa relançar. Entre abortos e barrigas de aluguel, não podemos ficar na dúvida. Porque todos, homens e mulheres, somos chamados a cuidar da vida de tudo e de todos. Tem mães e pais biológicos, mas também de criação, mães e pais espirituais, educadores, bons exemplos de vida! O sonho de todo adulto deveria ser ver algo de melhor nas novas gerações. Não pela tecnologia ou a conta no banco mais gorda, m as pela riqueza de humanidade, pela maior capacidade de diálogo e de convivência social. Talvez o maior sofrimento para um pai e uma mãe seja aquele de ver que os seus filhos, crescidos, se tornaram mais desumanos, egoístas, violentos, agressivos, desonestos, arrogantes e interesseiros. Se parecem, ainda, com crianças briguentas em eterna competição. Onde os pais e as mães erraram? Quantos deles hoje experimentam esta angústia? A questão é que um ser humano não se improvisa, é o resultado de muitos fatores, informações, ambientes, pressões ou descuidos. Somos filhos, também, da época em que vivemos. Nem tudo depende dos pais. Mas criação e educação à vida e à fé ainda são uma vocação e uma missão grandes e abençoadas por Deus. Tem “índices” para tudo. Está faltando o do “amor” fraterno, paterno e materno. O PIB pode esperar para crescer, o “amor” não mais.

Maria foi virgem e mãe. Gerou vida e foi toda de Deus. Nada é impossível ao amor. Ainda hoje ela ajuda a quebrar correntes, liberta, promove a vida plena, verdadeira. Como uma boa mãe incansável sempre nos repete: “Fazei o que ele – Jesus – vos disser!”

No Amapá, ex-ministro Gilberto Carvalho, admite erros dos governos do PT.

“Nós erramos. O poder corrompeu companheiros nossos. O erro do PT foi imitar os outros”

A declaração foi do ex-chefe de gabinete dos governos Lula e ex-ministro da secretaria geral da Presidência da República no governo Dilma, Gilberto Carvalho (PT), durante entrevista a um programa de rádio local.

O militante petista está em Macapá, e participa nesta sexta-feira (18), de uma plenária com o movimento sindical, organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT-AP).

O evento é aberto aos movimentos sociais, sindicatos e partidos de esquerda que integram a Frente Brasil Popular e deve contar com a participação de dirigentes e militantes do PT amapaense.

A palestra de Gilberto Carvalho sobre a Conjuntura Política Nacional será realizada das 9hs às 12hs na sede do Sindicato dos Urbanitários (Stiuap), situado na Rua Rio Macacoari, nº 16, no bairro Santa Inês, em Macapá.